Jungle, muito além de “Na Natureza Selvagem”.

daniel-radcliffe-jungle-trailer

“Eu estava desesperado para fugir do caminho já manjado.
Colégio, universidade trabalho, casamento, filhos…

Eu queria ser diferente, vivenciar o extraordinário, e adentrar o desconhecido”

Assim começa a história de Yossi Ghinsberg interpretado por Daniel Radcliffe. Baseado em fatos reais contados no livro do próprio Yossi, a história segue um grupo de amigos atraídos pela promessa de encontrar aldeias e tribos isoladas na Bolívia que partem rumo à floresta tropical em uma expedição dos sonhos em 1981 mas após diversos problemas e desentendimentos os amigos se separam e Yossi e Kevin Gale tentam encontrar um caminho próprio sem a ajuda de Karl, o guia da expedição.

A tensão do filme está em torno das dificuldades e desafios que seu corpo e mente criam, além de alguns obstáculos da natureza. Tendo a esperança e a sanidade como principais companheiros.

O filme é inspirado no livro “Jungle: A Harrowing True Story of Survival” escrita pelo próprio Yossi ainda sem tradução para o português

Anúncios

Entenda as faixas de temperatura:

saco

Entenda as faixas de temperatura:

Temperatura de Conforto – Temperatura na qual uma mulher padrão dormirá confortavelmente.

Temperatura Limite – Temperatura mais baixa na qual um homem padrão dormirá confortavelmente. Também referida como Temperatura de Transição.

Temperatura Extrema – A partir desta faixa de temperatura (faixa de risco), uma forte sensação de frio deve ser esperada. Existe risco de danos à saúde por hipotermia. A norma define como sendo a “temperatura onde uma mulher padrão, em condições de frio extremo, vai resistir apenas por um período de 6 horas. Para minimizar perda de calor no saco de dormir, ela está em posição fetal. A temperatura da pele está em 29 °C e o metabolismo basal ligeiramente aumentado por ela estar tremendo. Existe grande risco de hipotermia.”

Resumindo, nunca compre seu saco de dormir com base na Temperatura Extrema. Se você é mulher, use a Temperatura de Conforto e se você é homem, use a Temperatura Limite. É recomendado sempre deixar uma margem de erro, ou seja, veja sempre um saco cuja temperatura seja de 3 a 5 °C maior do que você precisa.

Uma boa opção é usar liners, uma espécie de “lençol” interno para sacos de dormir. Além de facilitar a limpeza, alguns aumentam a temperatura do saco em 8ºC.

Por fim, não existe mágica: não existe um saco de dormir super pequeno, ultra leve e que ainda assim agüente temperaturas baixas. Procure sempre a etiqueta do fabricante indicando que o produto está em conformidade com a norma européia.

Últimas Dicas: Uma boa noite de descanso não depende apenas do saco de dormir que você está usando, mas também da superfície onde você está e de como você dorme:

O isolante térmico é muito importante para isolar você do chão. Mesmo o melhor enchimento de saco de dormir não vai evitar que você perca calor para o chão.

Se a temperatura ambiente é de +2°C e a velocidade do vento é de 30 km/h, a sensação térmica será de -3,8°C. Portanto, abrigue-se! Use sempre uma barraca ou um saco de bivaque.

Nunca durma com suas roupas molhadas, pois a perda de calor é muito maior do que com roupas secas.

Aproximadamente 30% do calor é perdido pela cabeça. Mesmo que seu saco de dormir tenha capuz, durma com um gorro.

Uma alimentação balanceada e uma bebida quente antes de dormir vão ajudar a esquentar seu corpo. Isso é muito importante, pois o saco de dormir não gera calor. Apenas retém o calor produzido pelo corpo.

Se o organismo está desidratado não vai gerar calor de forma adequada. Portanto, hidrate-se o tempo todo.

Bons sonhos com seu saco de dormir!

fonte: Deuter

8 Regras de ouro em viagens.

   Abaixo iremos listar algumas dicas para viagens seja ela uma viagem de trem pela Europa ou um mochilão na Asia.

1- ASSUMA RISCOS.

   Bungee Jump não é para todo mundo, mas você não precisa ser um viciado em adrenalina para correr riscos, nem fazer nada remotamente perigoso.
Você pode evitar a Torre Eiffel para favorecer outros pontos menos conhecidos, claro que existe a chance de você se decepcionar mas as recompensas podem valer muito a pena como a chance de achar um café perfeito ou ter uma vista com pôr do sol só para você.
Para melhor como para pior as histórias são sempre melhores quando você sai da trilha batida.

2- TENTE ALGO NOVO TODOS OS DIAS.

   O ruim de ficar em casa é que a rotina toma conta de nossas vidas e fica cada dia mais difícil fugir dela, por isso as pessoas vão a aula de Zumba.
Quando você está viajando você está exposto a novas vistas, cheiros, sabores e experiências o tempo todo, siga a regra de que vai experimentar algo novo todos os dias enquanto estiver viajando, pelo menos se você acabar voltar para as aulas de Zumba terá ótima histórias sobre suas férias.

3- FAÇA CONEXÕES

   Aviões e hotéis tornaram fácil conhecer o mundo sem nunca fazer conexões com as pessoas. Quando estiver viajando se afaste por algumas horas da piscina do hotel e vá conhecer as pessoas locais, pode ser um idoso da praça ou o comerciante da feira local.
Você vai se surpreender como eles podem ser amigáveis, simpáticos e acolhedores e muitas vezes ansiosos para conhecer novas pessoas como você.

man-257890_1920-660x440

4- CUIDADO COM O IMPACTO.

   “Deixe apenas pegadas” é o que diz um velho mantra, é mais fácil falar do que fazer quando você precisa beber água mineral para evitar problemas estomacais, mas as garrafas que você usar continuaram lá por um longo tempo (500 anos segundo estimativas) depois que você tiver ido embora.
Não estamos dizendo para você beber água da torneira enquanto estiver em New Delhi (não faça isso), para tentar salvar o planeta, mas é importante lembrar que como turista você pode causar um impacto muito grande no ambiente em que passa.
Pense cuidadosamente no que está deixando para trás.

5- DE ALGO EM RETORNO.

   Ser voluntário em um país estrangeiro não é tão fácil como as vezes parece, mas essa não é a única forma de fazer algo bom.
Você pode ajudar moradores locais a limpar uma praça ou uma praia, doar livros, com pouco esforço você pode fazer uma grande diferença na vida das pessoas.

bus-1029307_1920-660x440

6- MAIS CARO NEM SEMPRE É MELHOR.

   Gastar mais dinheiro na viagem não é certeza de ter as melhores experiências. Normalmente é nos lugares mais baratos que o encontro com as melhores pessoas acontece e as noites de hotéis de 20 dólares costumam gerar as histórias mais duradoras.

7- VIAJE LEVE.

   Você pode precisar de 14 camisetas e 8 calças para uma viajem de duas semanas, é verdade, mas é pouco provável. Viajar leve é sempre uma coisa boa (e suas costas agradecem), e você não precisa de metade dos itens que muitos sites gostam de falar que é preciso em uma viagem.

descent-841413_1280-660x440

8- TIRE FOTOS… MAS NÃO MUITAS.

   Você pode querer tirar fotos de todos os mínimos detalhes da sua viagem para que eles não se percam na memória, mas se você “assistir” todas sua viagem por uma maquina fotográfica suas memórias não serão as mesmas.
Tirar fotos pode ser muita legal mas lembre-se de criar memórias e não apenas fotos.

CURTA: Roots – Raízes da Aventura

Adaptado do original: https://www.roughguides.com/article/the-golden-rules-of-travel/

6 coisas que aprendi mochilando com pouco dinheiro.

12249708_10153887759574474_927687478762887701_n-681x511

1- Que nada é impossível.
Quando contei aos meus amigos que iria mochilar pelo mundo a primeira coisa que ouvi foi, “você é louco”.
Eu trabalhava em um cubículo de escritório levando uma vida de frustração. Não sabia cozinhar armar uma barraca e nem tinha uma conta bancaria. Hoje quatro anos depois já são quase 90.000 quilômetros rodados em 50 países.
A única coisa que nos impede de fazer algo é a mente. A chave é não pensar muito, porque os pés sempre vão seguir seu coração e um dia você se encontrará vivendo o seu sonho.

2-A não ter preconceito.
Quando você é um viajante 24 horas por dia você se depara com pessoas pobres, ricas, com pessoas de todas as cores e todas as culturas. E você aprende a respeitá-las pelo o que elas são e por suas histórias.

viajando-a-dedo-02-600x337

3-A não fazer grandes planos e aceitar que a vida está mudando o tempo todo.
Quando você decidi mochilar sua vida muda, ela não é mais a vida estruturada que você tinha. De repente você decidi tomar outro caminho, ou encontrar uma pessoa que você deseja compartilhar a estrada por um tempo. Essas mudanças nos planos são a melhor parte da viagem e é certamente uma lição que você usará em cada dia da sua vida.

4-A viver um dia por vez.
Viajar com a mochila é uma aventura nova a cada dia. Ao contrário de quando se trabalha no escritório, agora eu nunca sei o que acontecerá amanhã. Eu não tenho rotinas ou contas a pagar no final do mês e minha única preocupação é o que vou comer e onde vou dormir.
E amanhã? Amanhã será outro dia! E mais uma aventura!

5-A ser paciente e positivo.
Para um mochileiro o melhor aliado é a paciência. Se você sair para mochilar sem paciência eu garanto que em 48 horas você vai voltar para casa. Para conseguir uma carona as vezes é preciso esperar quatro, cinco horas ou um dia inteiro na estrada! E a melhor solução é renovar o humor. Se ninguém parou em algumas horas, durma meia hora, coma alguma coisa ou vá observar o céu.
Não desanime. Se passou 100 carros e nenhum parou, o 101 provavelmente vai parar, ou o 102 ou talvez o 103. Mantenha o pensamento positivo!

viajando-a-dedo-04-600x337

6-Não saber a linguá local não é uma barreira.
Realizar um sonho nem sempre é como nos filmes… E na vida real eu encontrei muitas situações difíceis. Eu fui para a China, Rússia, Ucrânia, Cazaquistão e Myanmar por exemplo, onde não é falado Inglês ou Espanhol. E descobri habilidades que eu não sabia que tinha: Me comunicar por sinais. E o mais importante um sorriso abre mil portas isso é uma linguá universal.

Curta – Roots Raízes da Aventura

Adaptado do original 13 Cosas que aprendi viajando com poco dinero

Montanha não é pra todo mundo?

materia-dicas-mochileiro

   Ultimamente tenho notado esse BOOM no montanhismo, todos querem fazer parte dessa nova moda que é o mundo outdoor.  A cada dia nos deparamos com a realidade de que somos muito mais que um bando de indivíduos dividindo o mesmo espaço. As montanhas podem mexer com nossos sentimentos, elas nos impressionam e nos encantam, todos os anos milhares de pessoas vão para as montanhas apreciar suas belezas ou se refugiar e reconhecer sua pequenez diante da natureza e sua magnitude, o que pode ser constatado. O turismo de aventura caiu no gosto popular, segundo dados do SEBRAE foi registrado um aumento de 21% no ramo nos últimos tempos, dados interessantes tendo em vista que nesta análise quantitativa só existem dados de empresas credenciadas tirando de pano de fundo os organizadores de eventos.

   Não raramente há denúncias e relatos de frequentadores de trilhas tradicionais, trekkings, e vias de escaladas no qual deixam o local que deveria ser apenas  para a pratica do esporte, sujo e poluído. Não entendo a dificuldade de entender a comunicação em leve seu lixo, não faça fogueiras, entre outros princípios básicos, mesmo estando estampados em placas nas entradas dos parques e sites de comunicações dos principais parques nacionais, acho que a preocupação exacerbada referente ao numero de likes na foto publicada na rede social é bem maior que o uso consciente da montanha, o numero de incidentes com incêndios seja por uma bituca de cigarro ou um disparo de sinalizador mal justificado só demonstra o quanto as  pessoas envolvidas não sabem nada sobre a ética na montanha.

   Me pergunto o seguinte que tipo de gente esta indo a montanha? Gente que se comporta como se a montanha fosse  uma extensão do zoneamento da cidade poluída e barulhenta, ou que é conduzida por organizadores sem a menor capacitação técnica ou consciência ambiental. Gente que faz de banheiro toda a montanha desconsiderando todo mal que isso pode causar, conseqüências essas que podem trazer o fechamento da área de lazer e contaminação dos reservatórios de água. É inconcebível que sejam os montanhistas responsáveis por essas “cagadas”.

   Velhos hábitos não cabem mais em uma atividade cada dia mais popular em um ambiente cada vez mais frágil.

Por Diana Andrade

Curta ROOTS – Raízes da Aventura

13 Coisas que você aprende no primeiro mochilão.

seguro-viagem-mochilao

Viajar é sobre crescimento, aprender sobre o mundo, sobre si mesmo e a vida em geral. As lições são infinitas, não importa onde você esteja no mundo, se você já mochilou você vai saber do que estamos falando. Aqui, vão treze coisas que todos os mochileiros aprendem em sua primeira viajem ao redor do mundo:

1- Você precisa de menos do que pensava.
Você pode sair de casa com três pares de tênis e uma pochete, mas depois de algumas semanas você só vai pensar em usar seu chinelo e você vai começar a carregar o seu dinheiro no seu bolso, assim como todo mundo.
O melhor conselho é levar o mínimo possível, todo o resto pode ser conseguido ao longo do caminho.

2- Protetor auricular é um ótimo investimento.
Barganhar beliches, dormir rodeado de amigos e sim claro quartos compartilhados fazem parte da experiência de mochilar pelo mundo.

Mas espere … isso é alguém roncando JÁ??? Por que o Dave da Austrália não disse que roncava? E como esses dois mochileiros do bar conseguem ficar em uma cama que mal cabe uma pessoa sozinha? Adicione os peidos noturnos  e você tem a receita perfeita para uma noite de sono difícil.

Mantenha os protetores de ouvido sempre prontos para uso.

MA_00559474-660x440

3- Sempre haverá alguém que fez mais.
Nadou em uma praia remota e sobreviveu a pegar cobras venenosas com as mãos nuas? Fumou erva fazendo yôga durante um eclipse solar? Já esteve em todos os albergues em todos os países? Impressionante! Mas sempre haverá alguém que fez tudo isso e ainda mais. A solução? Encontrar o seu próprio caminho e fazer o que te faz feliz.

4- Há pessoas boas em todos os lugares.
Apesar do que notícias de TV querem nos fazer acreditar, existem pessoas boas em todos os lugares do mundo. Não importa onde você esteja se você é educado e respeitoso, sempre haverá alguma boa alma disposta a ajudá-lo.

5- Não há problema em se perder.
Veja o item número 4.

MA_00822686-660x479

6- Nem tudo está online (AINDA)
Ainda há lugares incríveis que não estão na internet. Mochileiros inteligentes não se limitam aos restaurantes e hotéis que tem bons comentários na web, muitas vezes as recomendações de pessoas locais levam as melhores experiências.

7- Seu corpo aguenta muito, mas não tudo.
Em um mochilão o corpo humano é sobrecarregado através de voos longos, noites sem dormir, litros de cerveja barata, comidas exóticas… e nem sempre ele está preparado para tudo isso. Você vai suportar a maior parte dessas coisas muito bem, mas ainda existem limites, lembre-se disso.

8- Se parece bom demais para ser verdade, então é.
Esse passeio Bangkok parece barato mas vai passar por lugares que você nunca quis visitar.

Se você quer uma boa experiência, esteja preparado para pagar por ela.

(Isso não significa que não existam bons passeios que ainda são baratos)

9- Bancos não gostam de mochileiros.
O que acontece quando você liga para seu banco para informar sua rota de viagem? Isso mesmo, eles esperam até que você esteja a milhares de quilômetros de distância para bloquear seu cartão dizendo que suspeitam de alguma atividade fraudulenta (quando na verdade é só você desesperado tentando reservar um voo de última hora).

Pior ainda, quando você realmente é vitima de uma fraude eles bloqueiam seu cartão e depois oferecem para enviar um novo para o endereço da sua casa mesmo com você do outro lado do planeta.

MA_00096305-660x442

10- O barato não parece barato por muito tempo.
Uma cabana na praia por 10 dólares a noite parece ser um ótimo valor no começo, mas em breve você vai esperar preços mais baixos e reclamar mesmo que só por alguns centavos a mais – esquecendo completamente que você pagaria dez vezes mais em casa.

11- Não há nada que você não possa lavar numa pia.
Calça jeans, camisetas, e até mesmo sua mochila, quando a necessidade aperta você arruma espaço para lavar quase tudo na pia do banheiro.
Os tempos de secagem variam.

12- Você é incrivelmente sortudo.
Em alguns lugares do mundo é possível sobreviver com quase nada e ainda ser relativamente rico. O fato de você poder ir tão longe do seu país de origem e experimentar novos lugares e culturas (mesmo que você esteja sobrevivendo com uma dieta de miojo) te coloca entre as pessoas mais sortudas do mundo.
Aprecie cada segundo e faça valer a pena.

13- Você nunca vai ver tudo.
Por isso seu primeiro mochilão não pode ser o último.

Curta: Roots – Raízes da Aventura

Adaptado do original: Things everyone learns on their first backpacking trip

5 regras de educação em trilhas.

rock-cairn-etiquette

Existem certas “regras” que não foram escritas mas que são comumente aceitas quando você está fazendo Trekking, essas dicas podem evitar que você acabe por levar uma bronca durante uma caminhada.

Para evitar que isso aconteça listamos 5 delas.

1– De um passo para o lado quando estiver descendo.

Se você está descendo uma trilha ingrime e vê outro trilheiro subindo de um passo para o lado e deixe ele passar.Para subir gasta-se muito mais energia do que descer, por isso é educado deixar a pessoa que vem embalada continuar subindo.

2– Deixe os Totens em seu lugar.

Tenho um amigo que adora derrubar os totens que são utilizados para marcar o caminho numa trilha, ele alega que essas formações não são naturais e se a pessoa não conhece o caminho não deveria estar lá para começo de conversa.Isso parece um pouco extremo para mim. Não destrua totens em trilhas pois outras pessoas podem depender deles, mas abstenha-se de colocar mais pedras, lembre-se do lema “Tire apenas fotografias deixe apenas pegadas”.

3– Dê uma longa caminhada antes de ir ao banheiro.

Quem nunca se deparou com dejetos humanos numa trilha?

Nunca faça suas necessidades na trilha ou próximo dela, o mínimo recomendado é se distanciar aproximadamente 50 metros da trilha antes de esvaziar a bexiga, se for o caso de fazer o número dois será preciso fazer um buraco de aproximadamente 60cm de profundidade antes.

4– Comprimente outros trilheiros.

Quando você encontrar outras pessoas durante uma trilha seja amigável e pare para conversar. Pergunte sobre próximos pontos de água, condições da trilha quão longe é a próxima bifurcação entre outros assuntos, você quer que ele se lembre de ter encontrado com você. A única exceção é se você desconfiar da pessoa, nesse caso mantenha-se em movimento, se for o caso finja estar falando no telefone.

5– Desconecte-se

Não importa que seu telefone tenha sinal no meio da trilha você não precisa dele nesse momento, se for utilizá-lo limite-se a usar ele para tirar fotos não ficar se gabando com outras pessoas mostrando a sua vista. Mantenha ele desligado e no fundo da sua mochila.

Curta: Roots – Raízes da Aventura

Adaptado do original: http://www.backpacker.com/skills/beginner/prof-hike-5-unwritten-rules-of-trail-etiquette/

 

 

 

Destino Analândia

Nos dias 10, 11 e 12 de junho a Roots e amigos foram até o interior de São Paulo em Analândia conferir as belezas da cidade.

A cidade oferece diversos atrativos naturais como o morro do Camelo e do Cuscuzeiro sendo que o segundo é o cartão de visita da cidade e fica dentro da propriedade Pedra Viva, para ter acesso a tal é preciso pagar a taxa de visitação de R$ 8,00, além desses ainda pudemos apreciar cachoeiras, trilhas, alimentar macacos pregos, fazer jet-bóia, slackline, um som de violão, muitas risadas e novas amizades.

Abaixo você confere um pequeno vídeo e algumas fotos.

Facebook: Roots – Raízes da Aventura

Os 10 Mandamentos do Mochileiro.

Mandamentos

  1. Mudará o roteiro se necessário.
  2. Obedecerá normas de boa conduta.
  3. Cuidará e preservará de todo o ambiente que passar.
  4. Hospedará-se na casa de pessoas que não conhece.
  5. Incentivará a cultura local.
  6. Levará somente o necessário em sua mochila.
  7. Experimentará a culinária dos locais que visitar.
  8. Informará ao menos uma pessoa do seu destino.
  9. Reclamará o mínimo possível.
  10. Observará cada pequena experiência.

Curta: Roots – Raízes da Aventura